A primeira Bicicleta (SPEED) agente nunca esquece!


Todas as vezes que temos a oportunidade de vivenciar uma nova situação, ela ficará de alguma forma gravada na nossa memória. Seja ela boa ou ruim. O primeiro beijo, o primeiro amor, a primeira BICICLETA!

Com certeza todos temos alguma boa lembrança da primeira bicicleta, como demorou para ganha-la ou adquiri-la. O modelo, a cor, e principalmente os momentos vividos com a “magrela”.
Ontem tive uma oportunidade de conhecer uma nova bicicleta. Como já falei de modalidades por aqui em outros posts. Cada modalidade do ciclismo possui um tipo de bicicleta diferente. E todas se diferenciam em design, peso etc.

CALOI STRADA – eis aqui a minha primeira Bicicleta de SPEED. Não é minha, rssss , mas foi o meu primeiro contato com uma bike, totalmente diferente das utilizadas na modalidade MTB ou BMX, das quais eu já estava acostumada.

Qual a sensação: claro que quem já está na modalidade ou possui uma bike de speed sabe disso e não é nenhum segredo. Ela é finíssima, levíssima, e devido isso ela voa. 

Sim qualquer declividade mínimo, faz com que ela comece a desenvolver um ritmo incessante. 
Ótimo né! Para quem gosta de velocidade e não tem medo de cair....com certeza ela faz milagres.
Isso ocorre devido o menor atrito do pneu com o piso, diferentemente das bikes de MTB e BMX que possui rodas mais largas.

Olha ela ai:

 Belíssima- eihn!!!!!! =)

E quem me proporcionou esta nova sensação foi meu amigo Paulo Afonso ( Montes Claros - MG). A bike é dele ... e é um pequeno tesouro dentro da grande coleção que ele possui. Mas ainda não vem a ser a “menina dos olhos”, essa seria a de Bronze, a de Ouro poucos tiveram a oportunidade de conhecer. Não estou falando de medalhas e sim das namoradas de Paulo Afonso, sim as suas Bicicletas.

Fiquei intrigada com o comentário de Paulo Afonso: "Gostei do seu estilo"....Hammmm, afinal eu só pedalei !!!! Tá me devendo uma explicação técnico-cientifica...eihn Paulo (rs).

Foi com certeza uma experiência muito interessante e penso que até mesmo única. 
Mas no outro dia, digo hoje, estou com aquela dorzinha sabe, isso, nas nádegas. Este fenômeno ocorre devido a falta de hábito com o esforço continuo, o tipo de bike e a má distribuição do peso do corpo na bike. No artigo abaixo (Dica 1) você verá onde devem ser feitas as distribuições do peso sobre a bike: pedal, guidão e selim.

Mas isso só ocorre para iniciantes, ou pessoas como Eu que param de pedalar por algum tempo, e principalmente aqueles que insistem em não comprar um vestuário apropriado para o esporte. EU (too) ... AFF

#Dica 1: Como pedalar sem a famosa dor no bumbum!

#Dica 2: Dores em outras partes do corpo, pés, tendão etc.
  
#Dica 3: Mulheres.

#Dica 4: Dores e mais dores

Bjussssss


Vamos pedalar por aí!!!
Sem dores, rssss =)

Comentários

  1. http://www.nee.ueg.br/seer/index.php/movimenta/article/view/555/444

    Para quem tiver interesse em fazer a leitura, segue em anexo o artigo na íntegra.

    O crescente aumento do número de ciclistas associado à negligência ao uso dos equipamentos de segurança e do risco de queda tem favorecido o aumento da ocorrência de acidentes relacionados à prática do esporte. O objetivo desta revisão integrativa foi realizar o levantamento das principais lesões agudas que ocorrem em ciclistas. Foram revisados oitenta e um textos, entre artigos e livros selecionados segundo o critério de inclusão: (1) estudos que abordaram lesões agudas, acometendo estruturas musculoesquelética e/ou vascular em ciclistas; (2) publicados de janeiro de 1955 a julho de 2012; (3) escritos no idioma português e inglês. Os resultados encontrados revelaram que o uso de capacete é eficiente para proteger o ciclista contra lesões na cabeça, porém os modelos sem proteção facial deixam o ciclista exposto às fraturas de face, principalmente terço médio e inferior. Outros dados mostraram que para evitar escoriações, lacerações, contusões, fraturas e luxações, os ciclistas precisam usar os equipamentos de segurança devidos, como capacete, óculos e luvas de ciclismo, ser cauteloso em terrenos irregulares e desconhecidos e não abusar da habilidade conquistada. A maioria das lesões necessita de atendimento médico e a fisioterapia traumato-ortopédica apresenta função importante na reabilitação cinético-funcional para retorno ao esporte.

    PALAVRAS-CHAVE: ciclismo, acidente, lesão.


    Grata pela atenção.

    ResponderExcluir
  2. Valeu Cássio!
    Obrigada pela contribuição!
    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Trilhando em 2017

Adeus Carnaval, Bem vindo Ano Novo!!! Pedale, Calendário 2017